:. Notícia

  • CNJ Serviço: o que fazem os oficiais de justiça?

    segunda-feira, 30 de outubro de 2017


    CNJ Serviço: o que fazem os oficiais de justiça?
    Oficial de justiça pode intimar, conduzir coercitivamente, avaliar bens, notificar decisões judiciais. FOTO: Gil Ferreira/ Agência CNJ

    Intimar, conduzir coercitivamente, avaliar bens, notificar, prender. Essas são algumas das tarefas realizadas pelos oficiais de justiça -- servidores concursados -- vinculados aos tribunais estaduais e federais, que têm como missão dar, pessoalmente, cumprimento a ordens judiciais.

    Esses profissionais têm direito a gratificação de risco de vida e indenizações de transporte, uma vez que estão expostos à situação perigosas e costumam utilizar seus veículos particulares para executarem o serviço. Além disso, têm liberdade para cumprir suas cargas horárias fora do ambiente forense. Nos mandados de matéria cível, eles podem trabalhar de segunda a sábado, das 6h às 20h, ou em qualquer horário e dia caso tenham autorização especial. No caso de matéria criminal, as ordens podem ser cumpridas em qualquer horário e dia.

    O prazo para o cumprimento dos mandados é, em regra, de 20 dias a partir da distribuição. O trabalho do oficial de justiça não termina com o cumprimento da ordem do juiz. Cumprido o mandado, é preciso fazer o relatório detalhado com informações sobre a diligência.

    Entre as diversas funções externas desenvolvidas pelos oficiais de justiça duas se destacam: a citação e a intimação. Prevista no artigo 238 do Código de Processo Civil, a citação é definida como “o ato pelo qual são convocados o réu, o executado ou o interessado para integrar a relação processual”. Caso essa etapa não seja executada, o processo pode ser considerado nulo. A intimação, por sua vez, prevista no artigo 269, tem duplo objetivo: dar ciência de atos ou termos do processo e convocar a parte a fazer ou abster-se de fazer alguma coisa.

    Os oficias de justiça realizam ainda trabalho fundamental em casos complexos, como reintegrações de posse, busca e apreensão e até mesmo no cumprimento das medidas protetivas previstas na Lei Maria da Penha.

    Fonte: CNJ



      Clique Aqui para voltar.



Filiado


Aniversariantes

15/12 - CANIZO PRAXEDES DE AQUINO
15/12 - JOSÉ REGINALDO DE FREITAS BARR
20/12 - MANOEL DUTRA DE OLIVEIRA
23/12 - EZIVALDO DO PATROCINIO
26/12 - IVANILDO FERREIRA DE SOUZA


Fórum de Discussão

Entre agora mesmo com sua matrícula e senha cadastrada e participe do nosso fórum de discussão.

Matrícula:
 
Senha:  
   
Esqueci minha senha


Galeria de Fotos

Convênios